Comércio da China movimenta o Centro da cidade de Fortaleza

Na última década, os asiáticos, mais especificamente os chineses, têm tomado conta do comércio do Centro da cidade. O Shopping dos Fabricantes é um dos locais que abrigam seus negócios. Quase metade das 60 lojas de uma das suas três sedes, localizada na rua Barão do Rio Branco, é alugada aos chineses.

A maioria vem para o Brasil por indicação de algum amigo ou parente. Eles entram no país como turistas e permanecem por tempo indeterminado; às vezes, pelo resto da vida. Passam pela grande São Paulo, lugar que recebe a maior concentração de importados e demais mercadorias que são distribuídas para onde quer que os outros estejam. “Vem tudo de São Paolo“, disse um deles, sem se identificar. Lá, ficam espalhados pelos comércios, principalmente, das ruas 25 de Março, Vinte e Quatro de Maio e bairro da Liberdade. Os artigos distribuídos, somados, chegam a valer de 100 a 200 mil reais. São bolsas, sandálias, tênis, óculos, blusas, relógios e uma infinidade de miudezas.

Os chineses que desembarcaram em Fortaleza são reservados. Olham de forma desconfiada para a caneta e o papel. Entrevistá-los é complicado. Da câmera fotográfica, então, eles querem distância. Foto, nem pensar! “No, no, no, sem fotos, sem fotos”, é o que dizem com um português precário. O vocabulário é restrito, principalmente, aos preços dos produtos, o tamanho das peças e as formas de pagamento “em dinheilo, clédito ou débito”. Entre si, conversam apenas em mandarim, provavelmente para dificultar a compreensão dos brasileiros.

Eles vieram para Fortaleza pelo clima e, principalmente, pelo custo de vida. Em São Paulo, tudo é muito caro; aqui, eles vivem bem, têm carro e apartamento próprios, mas, em sua maioria, estão no país de forma ilegal, são de famílias pobres e carentes da China que vêm tentar uma vida melhor. A solução encontrada para obter cidadania brasileira e sair da clandestinidade foi engravidar e, até que o primeiro filho nasça, fugir da fiscalização.

Quem são eles?

Lilian ou Liliane (sem sobrenome, “só assim”, como ela mesmo diz) está no país há quase seis anos, é chinesa de Xangai e já tem uma filha, que, de brasileira, tem apenas a nacionalidade. “Minha família inteira saiu de Xangai para tentar alguma coisa aqui no Brasil, né?”, contou. Ela enfrentou a dificuldade da língua e ainda fala e entende muito pouco do português brasileiro. É preciso falar devagar, e ela parece ter medo de responder algo que possa vir a lhe prejudicar. Lilian vende bolsas, óculos e roupas. Sobre voltar ao país de origem, ela é bem enfática: “não, Brasil é melhor!”.

Já André Fazhong, de uma das lojas vizinhas, tem 17 anos e é brasileiro, fala português e mandarim perfeitamente. O ponto alugado no shopping é dos seus pais. “Meu pai é da capital, Pequim. Ele começou em São Paulo, como a maioria faz, mas, por causa da poluição, meu irmão mais novo começou a ficar doente”. A escolha por Fortaleza veio da indicação de um amigo. A loja é bem pequena, mas os clientes entram e saem o tempo todo, mesmo sendo feriado de 21 de abril e sob muita chuva.

André terminou o 3º ano do ensino médio, mas não tem ideia do curso para o qual pretende prestar vestibular. “Não sei, não penso nisso ainda”, disse rindo. É brincalhão, mas bem tímido, e estava com seu primo, que mora no Brasil há dois anos e mal fala português. Ele já foi à China duas vezes, mas não sabe dizer qual é o melhor país. “Sinceramente, não sei qual dos dois escolher, são muito diferentes”.

Legalização

A situação das famílias de Lilian e André no Brasil é totalmente legalizada, mas não é assim com a maioria. De acordo com Tasso Renan, um dos administradores do shopping, existe uma rede montada por trás da vinda de todos esses imigrantes ilegais, que são atraídos pela possibilidade de crescer na vida. “O dinheiro daqui é um dinheiro valorizado lá, então eles já vêm fugidos. Em São Paulo, eles têm uma pessoa que distribui todas essas mercadorias e funciona da seguinte forma: se o brasileiro não ajuda, um chinês ajuda o outro. Eles já são muito unidos e já vêm através de um ‘coiote’, então é assim que funciona toda a ‘máfia’”.

A fiscalização existe, mas ainda é insuficiente diante dos truques que eles desenvolveram para driblá-la. Rapidamente, as portas são fechadas, a mercadoria é recolhida e todos desaparecem, como num passe de mágica. “Quando a fiscalização vem, faz pena e dó, só que é uma coisa impressionante. A polícia vem e leva 100 mil reais (em mercadorias) e, no dia seguinte, eles já têm 200 mil dentro de novo. O shopping loca o ponto, mas a responsabilidade é deles. Na hora de uma ‘batida’ da (Polícia) Federal, a gente não faz nada”, explicou Renan.

Uma ajudinha da lei

Em 2009, o então presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou a chamada Lei da Anistia Migratória, que autorizou a residência provisória de cidadãos estrangeiros em situação irregular no país.

Na época, todos os estrangeiros que tivessem entrado no Brasil até o dia 1º de fevereiro do mesmo ano e permaneceram no país após o vencimento do visto de imigração puderam regularizar sua situação, ganhando o direito de trabalhar de forma regular e legal. Os chineses foram um dos grupos mais beneficiados pela nova lei.

Computadores e outros dispositivos tecnológicos podem prejudicar saúde física e mental

Computadores, celulares, vídeo games e brinquedos eletrônicos são apenas alguns exemplos das maravilhas tecnológicas que fazem parte do nosso dia a dia e, de tão incorporados à nossa rotina, nem nos damos conta dos exageros na utilização. A maioria da população trabalha, estuda e se diverte frente a um computador, se comunica por meio de celulares e rádios ou manda e-mail via smartphone, mas tanto benefício acabou por marcar uma geração que vive impregnada com os efeitos negativos do uso excessivo da tecnologia no próprio corpo. Falta de sono, deficiências de visão e audição e déficit de concentração são apenas alguns desses males. Será que a praticidade justifica os resultados?

A fisioterapeuta Luciana Borges explica que alguns danos são tão comuns que nem provocam grandes preocupações. “Um dos problemas mais comuns da pessoa que fica muito tempo na frente de um computador, por exemplo, é a dor nas costas. Pode ser na região cervical, devido o monitor

não se encontrar na posição certa e o usuário ter que ficar mexendo muito a cabeça para cima ou para baixo, forçando a musculatura dessa região, mas também pode ser na região lombar”, explicou. O grande problema, no entanto, são as consequências da falta de atenção aos primeiros sintomas, que podem acarretar lesões mais graves. “A pressão feita na coluna lombar, quando sentado por muito tempo, sobrecarrega os discos intervertebrais, podendo levar a um surgimento de protusões ou hérnias discais”.

O surgimento de sintomas crônicos

As lesões por esforço repetitivo (LER), provocadas principalmente pela digitação excessiva, também já têm sido recorrentes entre boa parte dos usuários. Os sintomas mais comuns são facilmente identificados: dores, sensibilidade e formigamento nos dedos, podendo atingir ombros, braços, punhos e mãos.

De acordo com a fisioterapeuta, todos esses problemas podem ser evitados com medidas simples. “É necessário manter uma postura correta na frente do computador. O monitor tem que estar ao nível dos olhos. A região lombar, apoiada na cadeira; antebraços, punhos e mãos, apoiados e relaxados. Se (o usuário) for ficar muitas horas sentado, é preciso fazer um breve intervalo para se levantar e alongar a musculatura”. O que acontece caso não se desenvolva esse hábito é o surgimento de sintomas que podem se tornar crônicos, ou seja: “mesmo com tratamento, a pessoa ainda pode voltar a sentir dor, mas com épocas sem dor”.

Foi o que aconteceu com a estudante Glaucilene Araújo, que, pela segunda vez, entrou em licença médica no estágio acadêmico, somando 45 dias afastada da atividade. A culpada foi uma tendinite que vai do pulso ao ombro esquerdo, adquirida graças às nove horas diárias gastas na frente de um computador. ”As dores começaram há cerca de uns dez meses, mas antes era só um incômodo, por isso eu deixei passar. Aí, depois de um tempo, começou a incomodar mais, a ponto de eu ter problemas para dormir, então eu fui ao médico”. O tratamento indicado é demorado e requer disciplina: 20 sessões de fisioterapia, além de relaxantes musculares e anti-inflamatórios.

Mas Glaucilene não é a única. Tiago Bencardino, programador, dedica 12 horas do seu dia à utilização de vários dispositivos tecnológicos em diferentes atividades e sente muitas dores, principalmente na mão direita, sempre ocupada com o mouse do computador. “Eu vivo de tecnologia. Trabalho seis horas por dia com programação, uso muito o celular durante as aulas para fazer anotações e, à noite, eu programo meu TCC (trabalho de conclusão de curso) e uso o Facebook. Sem contar os joguinhos de todo fim de noite, né?”. Despreocupado, ele garante que procurar tratamento ainda não está em seus planos. “Só se a dor aumentar ao ponto de eu não poder mais utilizar meu smart ou o computador”. Para ele, o ideal seria que a empresa onde trabalha oferecesse algum tipo de suporte que evitasse esses efeitos. “Seria interessante ter um profissional para dar umas dicas, fazer um alongamento. Não sei se, necessariamente, um fisioterapeuta para remediar, mas, para prevenir, seria uma boa”.

Transtornos e deficiências que provêm do exagero

A fonoaudióloga Luciana Feijó explica que, em crianças, o problema pode ser ainda maior. “Estudos revelam que crianças que ficam por muito tempo jogando no computador ou no vídeo game apresentam dificuldade de concentração e de atenção, que, associada à desorganização e à inquietude, acabam por ocasionar problemas na aprendizagem e no desenvolvimento escolar. Não é que o uso dessas tecnologias em questão leve essa consequência a todas as crianças expostas a ela, mas, sim, às crianças que já tem uma predisposição ao problema. Em casos extremos, essa dificuldade de atenção pode levar ao diagnostico de TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade)”.

Outra deficiência pode, ainda, ser citada: a auditiva. Nesse caso, o problema surge pelo uso abusivo de fones de ouvido em aparelhos de reprodução de música. “A exposição contínua a  níveis de ruído superiores a 50 decibéis pode causar deficiência auditiva em algumas pessoas. Uma perda de audição temporária é observada ao fim de um período (de exposição sonora excessiva), desaparecendo após algumas horas.

A exposição contínua ao ruído resultará em perda auditiva permanente, que será de natureza progressiva e se tornará notável subjetivamente no decorrer do tempo”, explicou a fonoaudióloga. As mudanças na audição podem ser monitoradas através de testes audiométricos. Isto alertará médicos e paciente sobre as medidas preventivas que deverão ser iniciadas. Algums cuidados simples podem ser tomados para evitar danos graves ou permanentes:

  • Afastar-se do barulho o máximo possível;
  • Usar protetor auditivo individual quando o barulho for inevitável ou não puder ser paralisado;
  • Reduzir o tempo de exposição ao barulho;
  • Quando fizer uso de reprodutores de músicas, jamais colocar no volume máximo.

A adaptação à tecnologia como questão de sobrevivência

Para a psicóloga Karila Loiola, até as relações sociais sofrem negativos impactos graças ao uso excessivo de ferramentas tecnológicas. “Um exemplo disso são as famílias que convivem em um mesmo ambiente e que se comunicam através das redes sociais, acordando eventos tradicionais, como o jantar, através deste veículo de comunicação”, disse. Ela destaca, ainda, que adaptar-se à tecnologia já faz parte do processo de crescimento e sobrevivência dos seres humanos. “Para as gerações mais novas, a atualização faz parte do desenvolvimento cognitivo, social e afetivo. O indivíduo vai se moldando de acordo com o meio em que vive. Para as gerações anteriores a essa, a adaptação à tecnologia acaba tornando-se uma questão de sobrevivência. Como acompanhar a educação dos filhos ou mercado de trabalho sem decodificar os códigos provenientes de novas tecnologias?”.

Todos os problemas já citados, de acordo com a psicóloga, podem estar relacionados a uma dependência. Deve-se perceber que nem sempre o exagero leva ao vício, mas alguns sinais facilmente observados podem mensurar a gravidade da situação. “A dependência vem quando um comportamento reduz necessidades básicas do ser humano, ou seja, a priorização de certas atividades em detrimento do sono, alimentação ou convívio social. Então seria aconselhável dividir o tempo para prática de diferentes tipos de atividades. Diversificando o contato com novos tipos de experiências, pessoa aumenta também seu repertório de informações o que pode ocasionar a uma melhor adaptabilidade em situações diversas”, destacou Karila.

Apesar de tudo, a psicóloga explica que “a tecnologia e as mudanças causadas por ela, não devem ser vistas como vilão ou herói, tendo vista que elas não se criam ou se propagam sozinhas”. É de responsabilidade de cada um de nós medir, refletir e avaliar a parcela de importância da utilização e das consequências do uso constante de todas essas ferramentas no nosso dia a dia.

Ministério Público do Ceará investiga a participação de PMs e Bombeiros em crimes cometidos durante greve

Foto: G1

Após a greve de policiais militares e bombeiros que afligiu a cidade de Fortaleza nos primeiros dias de 2012, o Ministério Público do Ceará investiga a participação de membros das duas corporações em possíveis delitos cometidos durante o período de suspensão das atividades. Se confirmadas as apurações, os ex-grevistas envolvidos podem responder criminalmente por motim, depredação do patrimônio público e abandono de posto, embora nenhuma punição de cunho administrativo tenha sido aplicada.

A investigação, solicitada pelo promotor Joatan de Castro em meados de janeiro, já foi encaminhada aos Comandos da PM e dos Bombeiros, que devem apresentar os resultados oficiais até março. A pena pelos crimes pode chegar a 20 anos de prisão, além de expulsão das devidas corporações. A grande concentração do movimento foi motivada pela luta por melhores condições salariais e trabalhistas.

Entenda o caso

Policiais Militares e Bombeiros do CE anunciam paralisação das atividades

Policiais militares do Ceará aceitam proposta e encerram paralisação

Por que não?

Durante o desenrolar da negociação que daria fim à greve, ficou garantido pelo governo Cid Gomes (PSB) que nenhuma punição seria deferida aos PMS e bombeiros grevistas. O acordo, no entanto, não anulava a atuação do Ministério Público, que, segundo o procurador-geral de Justiça, Ricardo Machado, teve o dever e a obrigação de requisitar a investigação e analisar a possível existência de um crime. Para o presidente da associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar, Flávio Sabino, a postura do MP é contraditória, uma vez que o órgão se manteve junto ao movimento durante o acordo que garantiu a anistia aos envolvidos, aprovado pela Assembleia Legislativa do Ceará no último dia 09 de janeiro.

O deputado federal Chico Lopes (PC do B), por sua vez, considera estranha e desnecessária a instauração de um inquérito penal depois de apaziguadas as consequências do movimento. A iniciativa “em favor da paz” pelo fim do movimento teria sido sábia e responsável por provocar um amadurecimento político no Estado.

[+]

Ministério Público Estadual

Rua assunção Lobo, 1.100

Bairro José Bonifácio, Fortaleza

(85) 3452.4521 / 3452.4522 (fax)

www.pgi-ce.gov.br

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.